O “Versailhes português”: Palácio Nacional de Queluz

O Palácio Nacional e os Jardins de Queluz são certamente os lugares mais elegantes e luxuosos que conheci em Portugal!
Está localizado em Queluz, freguesia pertencente ao município de Sintra.
O palácio teve sua construção iniciada em 1747, por D. Pedro III, consorte de D. Maria I. Inicialmente, era a residência de verão da Família Real e passou a residência permanente entre 1794 a 1807, quando a família embarcou rumo ao Brasil fugindo da invasão francesa comandada por Napoleão Bonaparte (Fonte: Parques de Sintra). Se você já leu 1808, de Laurentino Gomes, vai se lembrar do autor mencionando o Palácio de Queluz.
O Palácio é considerado Patrimônio Nacional desde 1910, ano de Proclamação da República Portuguesa. Devido à sua beleza, é considerado o “Versalhes” português.

1. COMO CHEGAR A PARTIR DE LISBOA:

-Comboio (Trem): utilize a Linha de Sintra, que faz parte dos Comboios Urbanos de Lisboa. Há horários durante o dia todo.
Você pode pegar essa linha nas estações Oriente, Rossio ou Entrecampos.
Ao comprar a passagem no guichê, você receberá um cartão dos comboios urbanos de Lisboa, que deve ser validado nas máquinas amarelas existentes nas plataformas. Ele é a sua passagem, portanto, não jogue fora! Para comprar a passagem de volta, você vai usar o mesmo cartão.
Desça na Estação Queluz-Belas. Será necessário mais uma caminhada de 1 km para chegar ao palácio. Saia para a Avenida António Ennes e siga até o cruzamento com a Avenida José Elias Garcia. A partir desse ponto, continue pela Av. República por cerca de 500m. A avenida acaba em frente à estátua de D. Maria I no Largo do Palácio de Queluz, onde está a entrada do Palácio.

2. O PALÁCIO NACIONAL DE QUELUZ:

Quando li que o Palácio de Queluz é conhecido como "Versalhes português", não pensei duas vezes, só disse "preciso conhecer esse lugar". Talvez me decepcionasse por já conhecer o verdadeiro Palácio de Versalhes, mas, ao contrário, gostei muito do lugar e achei extremamente bonito!
O Palácio é formado por incríveis cômodos e salas, que mostram o requinte da coroa no período dos séculos XVIII e XIX. O itinerário de visitação inclui as seguintes partes do Palácio:

-Sala do Trono: é a maior das salas do Palácio, com 304 m² de área útil! Data de 1768, e foi construída para a realização de audiências oficiais. No entanto, poucas foram as audiências e muitas foram as festas realizadas nessa magnífica sala! Também serviu como capela, onde foram batizados alguns dos filhos de D. João VI e D. Carlota Joaquina (Fonte: Parques de Sintra). Esta é sem dúvidas a sala mais bonita do Palácio de Queluz, com seu trabalho em estilo rococó e sua decoração em dourado! É um belo cartão de visitas, já que é a primeira sala pela qual passei!
Atualmente, a Sala do Trono é usada pelo governo português para banquetes e concertos e tem capacidade para até 350 pessoas (Fonte: Parques de Sintra).

 

A Sala do Trono: a mais linda do palácio! (Foto: Tissiana Souza).

 

-Sala da Música ou das Serenatas: é uma das salas mais antigas do Palácio, de 1759. Tem estilo rococó, tal como a Sala do Trono. Os motivos talhados remetem ao seu nome, ou seja, a música. Aqui, D. Carlota Joaquina, Princesa do Brasil, realizava audiências e o Beija-Mão (Fonte: Parques de Sintra).

 

Sala da Música: era a sala do Beija-Mão de D. Carlota Joaquina (Foto: Tissiana Souza).

 

-Capela Real: foi uma das primeiras partes do Palácio a ser construída, em 1752. A curiosidade é que havia um espaço na capela, onde a Família Real podia assistir as celebrações sem ser vista (Fonte: Parques de Sintra). D. Pedro I foi batizado nessa capela.

-Sala do Lanternim: sala que dava acesso à tribuna oculta da Capela Real. O destaque é o quadro de D. Miguel (1827), o maior retrato do Palácio (Fonte: Parques de Sintra).

-Aposentos da Princesa do Brasil, D. Maria Francisca Benedita: os aposentos da irmã mais nova D. Maria I (a rainha louca) é formado pela Saleta, o Quarto Estilo D. Maria, o Quarto Estilo Império e o Oratório. A princesa viveu nos aposentos após ficar viúva do Príncipe herdeiro D. José, irmão de D. João VI (sim, é isso que você entendeu! A tia era casada com seu sobrinho! Em tempos passados era muito comum o casamento entre membros da mesma família).

-Sala de Jantar: passou a ser usada para refeições pelos últimos monarcas que ocuparam o Palácio. Os locais de refeição eram muito variados, e dependiam muito do gosto pessoal de cada monarca e da localização de seus aposentos (Fonte: Parques de Sintra).

-Sala de Porcelanas e Faianças: anexa à sala de jantar, é o ponto do palácio onde são exibidas ao público as coleções de porcelanas e faianças da Casa Real. As peças também foram usadas durante refeições feitas no Palácio (Fonte: Parques de Sintra).

-Corredor dos Azulejos: as paredes revestidas com azulejos, são, sem dúvidas, muito bonitas! Os desenhos representam as quatro estações e os quatro continentes, além de elementos da mitologia clássica. Datam de 1784 (Fonte: Parques de Sintra).

 

Corredor dos azulejos: espetacular! (Foto: Tissiana Souza).

 

-Quarto Estilo D. José: é uma reconstituição de um quarto de dormir típico da aristocracia portuguesa em meados do século XVIII. Os móveis de madeira escura tem origem brasileira (Fonte: Parques de Sintra).

 

Quarto estilo D. José: aristocracia do século XVIII (Foto: Tissiana Souza).

 

-Sala dos Archeiros: está situada no centro da Fachada de Cerimônias, sendo a antiga entrada nobre do Palácio (Fonte: Parques de Sintra).

 

Sala dos Archeiros: antiga entrada do palácio (Foto: Tissiana Souza).

 

-Sala dos Embaixadores: mais uma sala incrivelmente bela do Palácio, foi entre 1794 e 1807 a Sala do Beija-Mão do Príncipe Regente D. João e sala de audiências diplomáticas.

 

Sala dos Embaixadores: mais uma sala maravilhosa do palácio! (Foto: Tissiana Souza).

 

-Sala de Despacho: decorada com pinturas de óleo sobre tela que representam ruínas italianas da Antiguidade. A pintura do teto é de 1940, e chama-se “Decorrer do Tempo”. Substitui a pintura original de mesmo tema, que foi destruída no incêndio que atingiu o Palácio em 1934 (Fonte: Parques de Sintra).
A sala já teve inúmeras funções, como: sala de espera dos camaristas de D. Pedro III, reuniões ministeriais, audiências e despachos para o Príncipe Regente D. João, e quarto de dormir dos reis D. Miguel e D. Luís (Fonte: Parques de Sintra).

 

Sala dos Despachos (Foto: Tissiana Souza).

 

-Sala das Merendas: sala de jantar privativa dos aposentos reais. O teto lembra favos de mel! (Fonte: Parques de Sintra).

-Quarto D. Quixote: tem um formato circular e é totalmente decorado com passagens sobre a obra "El genioso Hidalgo Don Quixote de la Mancha". A sala também foi afetada pelo incêndio de 1934, sendo necessário refazer as pinturas. É o cômodo do Palácio mais conhecido, pois nesse quarto nasceu a maioria dos filhos de D. João VI e D. Carlota Joaquina, dentre eles, D. Pedro – Primeiro Imperador do Brasil e Rei de Portugal – que também faleceu neste mesmo quarto em 1832.

 

Quarto D. Quixote: aqui nasceu e morreu D. Pedro I (Foto: Tissiana Souza).

 

-Quarto da Rainha: teria sido o quarto de dormir de D. Pedro III, do Príncipe Regente D. João e, posteriormente, da Rainha D. Carlota Joaquina. A decoração original foi perdida no incêndio.

-Quarto do Toucador da Rainha: mais uma bela sala do palácio, decorada com telas pintadas com cenas infantis. O teto e o piso apresentam um paralelismo de formas.

Enquanto morei em Portugal, vi poucas referências a D. João VI. Napoleão Bonaparte chegou a dizer que D. João foi o único que conseguiu engana-lo! D. João é muito contestado por ter deixado Portugal e atravessado o Oceano Atlântico rumo ao Brasil. Dos lugares onde passei por Portugal, O Palácio de Queluz foi o único local onde vi um quadro com o retrato de D. João VI.
Quando visitei o Palácio, no início de 2014, sua pintura externa era avermelhada/rosa/amarelo. No entanto, estudos feitos para a restauração do palácio apontaram que sua cor original era o azul.
Atualmente, o palácio tem sua fachada pintada de azul. Ficou muito mais elegante com sua verdadeira cor 🙂

 

Vista do Palácio Nacional de Queluz dos jardins (Foto: Tissiana Souza).

 

3. JARDINS DE QUELUZ:

Depois da visita ao belíssimo Palácio, nada melhor que também poder conhecer seus jardins!

 

Jardins do Palácio Nacional de Queluz: estilo francês (Foto: Tissiana Souza).

Os jardins do Palácio Nacional de Queluz foram muito utilizados para as festas da Família Real. São cerca de 20 hectares, onde há estátuas inspiradas na mitologia clássica e um evidenciado gosto pela cultura francesa (Fonte: Folder – Palácio Nacional de Queluz). Os destaques são:

-Canal dos Azulejos: como o próprio nome já diz, é revestido de azulejos portugueses do século XVIII. Era possível fechar o canal, através de comportas, e assim podia-se passear de barco por ele! (Fonte: Folder – Palácio Nacional de Queluz).

 

Canal dos Azulejos (Foto: Tissiana Souza).

 

-Pórtico da Fama: entrada para a Fachada de Cerimônias (Fonte: Folder – Palácio Nacional de Queluz).

-Fachada de Cerimônias: jardim anexo ao Palácio, onde o destaque são os Lagos de Nereide e Netuno, do século XVIII, e as diversas estátuas ligadas à mitologia (Fonte: Folder – Palácio Nacional de Queluz).

 

Fachada de cerimônias (Foto: Tissiana Souza).

-Jardim Novo ou de Malta: próximo à saída do Palácio, recebeu o nome em homenagem à Ordem de Malta, de que D. Pedro III era o Grão Mestre (Fonte: Folder – Palácio Nacional de Queluz). 

-Cascata Grande: é o ponto focal estruturante do jardim. Construída em 1770, hoje é mais uma parede onde crescem plantas e encontra-se degradada pelo tempo.

Você pode conhecer o “Versalhes português” sem sair de casa! Clique no link a seguir, e passeie pelo Palácio Nacional de Queluz através de panoramas em 360°:

http://www.360portugal.com/Distritos.QTVR/Lisboa.VR/monumentos/Queluz/

O Palácio conta com sanitários, cafeteria, loja e restaurante. O estacionamento está localizado em frente à entrada do Palácio. O Palácio e os jardins são acessíveis a cadeirantes, porém é necessário reservar os equipamentos. 
Para mais informações sobre acessibilidade no Palácio de Queluz, acesse o link a seguir:

http://www.parquesdesintra.pt/planear-a-sua-visita/acessibilidades/palacio-e-jardins-de-queluz/

Reserve uma tarde para conhecer o “Versalhes português”! Você conhecerá um pouco mais dos bastidores da Família Real antes de seu embarque para o Brasil!

Endereço

Largo Palácio de Queluz,
Código Postal: 2745-191, Queluz - Sintra
Telefone: +351 21 923 7300

Preços para o ano de 2015

Palácio + Jardins

Adulto (18 a 64 anos): 10,00 €
Jovem (6 a 17 anos) e sênior (acima de 65 anos: 8,50 €

Happy Hour Palácio + Jardins (todos os dias das 15:30 às 18:00)

Adulto (18 a 64 anos): 8,00 €
Jovem (6 a 17 anos) e sênior (acima de 65 anos: 6,50 €

Jardins

Adulto (18 a 64 anos): 5,00 €
Jovem (6 a 17 anos) e sênior (acima de 65 anos: 3,50 €

Horário

Todos os dias, exceto 25 de dezembro e 1º de janeiro.
Até 29 de outubro, das 9:00 às 19:00 horas.
Última entrada às 18:00.

Para mais informações

Parques de Sintra Monte da Lua:
http://www.parquesdesintra.pt/

Comboios de Portugal:
http://www.cp.pt/passageiros/pt

Prefeitura de Sintra:
http://www.cm-sintra.pt/turismo

Adicionar um comentário

%d blogueiros gostam disto: