O Encontro das Águas e a Floresta Amazônica

Muitas pessoas têm curiosidade de conhecer Manaus capital do Estado do Amazonas.
E só visitando a cidade para descobrir que lá é uma capital estadual como a grande maioria: muito trânsito, movimentação intensa de pessoas, lojas, um centro histórico, etc.
Você inicialmente não vai pensar que está no meio da Floresta Amazônica! Ou vai se lembrar por causa das diferenças climáticas, com muito calor e muita umidade!
Um dos passeios mais tradicionais feitos em Manaus é, com certeza, visitar o Encontro das Águas, considerado pelo IPHAN como Patrimônio Natural Brasileiro!
Quando estive em Manaus, realizei um passeio interessantíssimo pela região, no Encontro das Águas, na comunidade ribeirinha de Catalão, no Parque Ecológico Janauary e um almoço em um restaurante flutuante de culinária local.

1. O PASSEIO: 

O passeio tem início do Porto de Manaus, em frente ao Mercado Municipal.
Há muitos barcos típicos de transporte de passageiros para longas distâncias atracados no local. Também há muitos navios cargueiros no rio Negro.

 

O Porto de Manaus (Foto: Tissiana Souza).

 

Cargueiro no Rio Negro, próximo ao Porto de Manaus (Foto: Tissiana Souza).


O rio Negro é tão largo que é difícil enxergar a floresta na outra margem!
É uma visão totalmente diferente ver a cidade de dentro do barco. Aos poucos, Manaus vai ficando para trás, dando lugar ao verde da floresta!

-O Encontro das ÁguasA 4 km da cidade está o tão esperado Encontro das Águas, onde os rios Negro e Solimões se unem para formar o rio Amazonas!
É incrível o poder da natureza de promover o encanto e nos deixar hipnotizados! Talvez seja a grandeza dos rios amazônicos! Talvez seja o fato de presenciar o poder das águas! Sinceramente não sei...
O que posso dizer é que o Encontro das Águas é algo incomum e lindo! Algo que  somente a natureza é capaz de proporcionar!

 

O encontro das águas é um evento natural e único de se ver (Foto: Tissiana Souza).


Há explicação para que as águas do rio Negro e do rio Solimões corram lado a lado sem se misturar por cerca de 10 km.
O rio Negro, como o próprio nome já diz, apresenta águas escuras devido à alta quantidade de matéria orgânica proveniente da decomposição da vegetação. A velocidade das águas é lenta, cerca de 2km/h, e a temperatura média da água é de 28°C. Já o rio Solimões apresenta águas barrentas, pois carrega grande quantidade de sedimentos desde a região da Cordilheira dos Andes. A velocidade média é de 6km/h e temperatura em torno dos 22°C (Fonte: MegaCurioso).
A diferença de temperatura, velocidade, taxas de acidez e densidade da água é que explicam este fenômeno! Para provar que as águas têm temperaturas diferentes, o barqueiro passa de um rio para outro e nós turistas ficamos com a mão na água para sentir esta diferença!

 

O espetacular Encontro das Águas! A natureza é mesmo surpreendente! (Foto: Tissiana Souza).

 

-Comunidade Ribeirinha do Catalão: Localizada a cerca de 40 minutos de Manaus, com acesso somente por barco, está a Comunidade Ribeirinha do Catalão, composta por mais de 100 construções, entre residências, estabelecimentos comerciais, escola e igreja.
Descrevendo assim pode parecer uma comunidade normal, mas o detalhe está no seguinte fato: todas as construções, feitas em madeira, são flutuantes!
Tudo aqui está construído sobre troncos de árvores de açacu, que servem como boias que sustentam as construções. Dentro da água, a madeira dura por décadas.
É um local totalmente diferente e curioso! Você dificilmente verá algo parecido novamente! Nós entramos na escola, que balançava suavemente conforme os movimentos da água. 

 

Residências flutuantes da Comunidade Ribeirinha do Catalão (Foto: Tissiana Souza).

 

Dificilmente você verá outro lugar parecido com a Comunidade Ribeirinha! (Foto: Tissiana Souza).


O Programa Bom Dia Brasil fez uma matéria sobre a comunidade Ribeirinha no ano de 2013, que está disponível no link a seguir:
http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2013/08/no-amazonas-106-casas-flutuantes-abrigam-comunidade-catalao.html

-Parque Ecológico Janauary: Saindo da Comunidade do Catalão, seguimos para o Parque Ecológico Janauary.
Em 2012, quando estive em Manaus, ocorreu a maior cheia da história do rio Negro, com o nível máximo da água a 29,87 metros.
Na Floresta Amazônica, como vi neste passeio, as águas, muitas vezes, atingiam as copas das árvores! Algo bastante impressionante! 

 

Árvores com água na altura das copas (Foto: Tissiana Souza).


No parque ecológico visitamos o lago das vitórias-régias. Elas não estavam tão viçosas por causa das chuvas, mas isto não impediu de ser uma parte interessante do nosso passeio! As vitórias-régias são plantas aquáticas típicas da região amazônica, que podem atingir um diâmetro de até 2,5 m!  

 

Lago com vitórias-régias (Foto: Tissiana Souza).


Em seguida, fomos almoçar no restaurante flutuante “Rainha da Selva”, que também tinha uma lojinha de artesanatos variados ligados à cultura indígena amazônica!

 

Restaurante flutuante, no qual almoçamos durante o passeio (Foto: Tissiana Souza).


Depois do almoço, o passeio prosseguiu pelo interior da Floresta Amazônica! Em meio à vegetação de igapós, tudo parecia um labirinto e além disso, como estava muito alagado, não dava para saber onde era o canal original dos igarapés e qual a profundidade do local!

 

Navegando pela Floresta Amazônica (Foto: Tissiana Souza).

 

Navegando no interior da Floresta Amazônica (Foto: Tissiana Souza).


O ponto alto do passeio é conhecer a Sumaúma, que é a maior árvore da Floresta Amazônica! É incrível a sua grandiosidade e como ela se destaca entre as outras árvores! Uma sumaúma tem em média 60 metros de altura.

 

Chegando de barco bem próximo à Sumaúma (Foto: Tissiana Souza).

 

A Sumaúma é uma árvore grande e esplendorosa! (Foto: Tissiana Souza).


E assim, com a visão desta árvore imensa, o passeio é concluído. Após navegarmos um pouco mais pela mata, retornamos a Manaus.
A duração total do passeio foi de cerca de 5 horas.

2. PREÇOS:

Na época que fiz o passeio, em 2012, paguei cerca de R$130,00 sem o almoço incluído.
Para esta postagem, fiz uma busca por preços visando inserir aqui todas as informações atualizadas, porém não encontrei os valores nos sites das agências. Em outros sites e em outras postagens, os preços estão muito variantes, de R$160,00 a R$350,00.
O passeio foi contratado na empresa Apuí Turismo (Apuí Amazon Tours), e eles inclusive foram nos buscar de van no hotel. A empresa ainda existe e está no Facebook como "Apuí Turismo". Já o site está desatualizado.
Aconselhamos a perguntar no hotel em que você estiver hospedado ou nos pontos de informação turística maiores informações sobre a contratação de passeios turísticos em Manaus.

Para mais informações

Prefeitura de Manaus
http://www.manaus.am.gov.br/

Adicionar um comentário

%d blogueiros gostam disto: