A Praça dos Três Poderes de Brasília (Parte 1)

Lucio Costa, urbanista que pensou a cidade de Brasília, idealizou um dos principais e mais visitados espaços da cidade – a Praça dos Três Poderes – com o formato de uma mão aberta. Conforme o folheto do site “Experimente Brasília”, Lucio Costa concebeu a Esplanada dos Ministérios como um braço estendido, e em sua mão estaria as sedes dos poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, sendo oferecidos a todo o povo brasileiro.
Outra curiosidade bastante interessante sobre a Praça dos Três Poderes é a formação de um triângulo equilátero (com três lados iguais) entre os prédios do Supremo Tribunal Federal, do Palácio do Planalto e do Congresso Nacional, que representaria o equilíbrio existente entre os três poderes (Fonte: Portal Brasil/IPHAN).
Aparentemente, a Praça dos 3 Poderes é um espaço aberto e simples. No entanto, ao prestar mais atenção, você verá que há no local uma grande quantidade de informações e pontos a serem visitados. É um espaço bastante amplo, no qual cada construção e cada monumento têm um destaque único!

 

Congresso Nacional e Praça dos Três Poderes, vista de cima da Pira da Pátria (Foto: Tissiana Souza).

Vamos às 5 primeiras atrações da Praça?!:

1.Mastro da Bandeira:

A gigantesca bandeira do Brasil está hasteada em um mastro de incríveis 100 metros de altura, visível de diversos pontos da cidade. Idealizado pelo arquiteto Sérgio Bernardes, o mastro é formado por 24 hastes metálicas, que representavam cada um dos 24 estados brasileiros na época (Fonte: Folder da Praça dos 3 Poderes – Experimente Brasília).

 

Praça dos Três Poderes. Ao fundo, o Mastro de 100 metros e o Panteão Nacional.

A inauguração do monumento ocorreu em novembro de 1972. No ano de 1979, foi criado o Estado de Mato Grosso do Sul e, em 1988, o Estado de Tocantins (Fonte: Secretaria de Cultura do DF).
Ao pé do mastro, está a frase:

“SOB A GUARDA DO POVO BRASILEIRO, NESTA PRAÇA DOS TRÊS PODERES, A BANDEIRA, SEMPRE NO ALTO, VISÃO PERMANENTE DA PÁTRIA”.

O mastro nunca fica sem uma bandeira brasileira hasteada! Primeiro, a nova bandeira é hasteada, para depois ser removida a bandeira mais velha (Fonte: Secretaria de Cultura do DF).
A Bandeira (ou Pavilhão), que é considerada por lei federal um dos símbolos nacionais, é trocada em cerimônia todo primeiro domingo do mês. A área do pavilhão nacional mede 286m² e é feito em nylon de paraquedas (Fonte: Secretaria de Cultura do DF).
Quando o vento abre a bandeira, é lindo de se ver! É lindo ver aquela bandeira gigantesca tremular! Em outras capitais de países, como por exemplo, Lisboa e Santiago, já tínhamos visto as bandeiras enormes sendo abertas pelo vento, mas ver a bandeira do nosso país sendo agitada com seus mais de 280 m² é muito mais emocionante!

2. Panteão da Pátria e da Liberdade “Tancredo Neves”:

O panteão é um espaço destinado para homenagear os grandes heróis da nação.
Projetado por Oscar Niemeyer, foi inaugurado no ano de 1986 e tem o formato de uma pomba.

 

Panteão Nacional, projetado por Oscar Niemeyer (Foto: Tissiana Souza).

Visitamos o Panteão apenas por fora, pois estava fechado no dia em que visitamos a Praça dos Três Poderes. Em frente ao Panteão está o busto de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, considerado um herói nacional.

 

 

 

Estátua de Tiradentes, na entrada do Panteão (Foto: Tissiana Souza).

No interior do Panteão, há 3 pavimentos, sendo o 1º destinado à administração do Centro Cultural Três Poderes. No 2º andar está o Salão Vermelho, onde encontra-se o “Mural da Liberdade” de Athos Bulcão. No 3º Pavimento está o Salão Principal, no qual é possível observar o Vitral de Marianne Peretti, o Painel da Inconfidência Mineira e o Livro de Aço dos Heróis Nacionais (Fonte: Secretaria de Cultura do DF).
Existe um procedimento burocrático para que uma pessoa seja considerada um herói ou uma heroína da nação. Como explica o site da Secretaria de Cultura do DF, a nomeação de um herói/uma heroína se dá por um ato do Congresso Nacional e após um período de 50 anos da morte do homenageado.
São considerados heróis da nação: Zumbi dos Palmares, D. Pedro I, Tancredo Neves, Padre José de Anchieta, Getúlio Vargas, Heitor Villa Lobos, Marechal Deodoro da Fonseca, entre outros. Também há duas mulheres na lista: Anna Nery (Pioneira da Enfermagem no Brasil e voluntária na Guerra do Paraguai) e Anita Garibaldi (Fonte: Secretaria de Cultura do DF).
*Vitral de Marianne Peretti: é possível ver alguns detalhes do vitral da artista franco-brasileira da parte de fora do Panteão Nacional.
Três cores aparecem nesta obra de 180m² e 16 toneladas de ferro: o roxo (recolhimento), o vermelho (paixão) e o branco (paz). A forma do vitral lembra o mapa do Brasil e também uma árvore (Fonte: Secretaria de Cultura do DF).
Ao pé do vitral, do lado de fora, está uma escultura de ferro laqueada, de cor branca, também de Marianne Peretti. Tem a forma de um pássaro que representa a liberdade (Fonte: Secretaria de Cultura do DF).

Vitral e escultura de Marianne Peretti, no Panteão Nacional (Foto: Matheus Sabino).

Horário de Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 09:00 às 18:00 horas.

3.Pira da Pátria:

Este monumento integra o conjunto do Panteão Nacional. Com 12 metros de altura, proporciona uma bela vista da Praça dos Três Poderes, sobretudo do Congresso Nacional e do Panteão.
Foi projetado por Oscar Niemeyer e inaugurado em 21 de abril de 1987. É construído em material de concreto revestido por mármore branco.
Teoricamente, deveria haver uma chama queimando 24 horas por dia na Pira da Pátria. No entanto, a “chama eterna” está apagada desde setembro de 2016, após um vazamento de gás GLP e por falta de verbas do Governo do Distrito Federal para reparos e manutenção.

 

Pira da Pátria, onde deveria ficar acesa a chama da liberdade (Foto: Matheus Sabino)..

O monumento construído em homenagem ao Presidente Tancredo Neves representa a liberdade e a democracia, por isto, a chama nunca deveria se esgotar (Fonte: reportagem do site G1.Globo.com http://g1.globo.com/distrito-federal/noticia/chama-eterna-do-panteao-da-patria-e-apagada-gdf-nao-tem-verba-para-manutencao.ghtml).
Ao lado da Pira da Pátria há um pequeno monumento onde se lê:

"A MEMÓRIA DOS HERÓIS CONSTRUTORES DA PÁTRIA PERMANECE VIVA NA CHAMA ETERNA DA LIBERDADE".
José Sarney - Presidente da República

 

Monumento ao lado da Pira da Pátria, dedicado aos construtores da cidade (Foto: Tissiana Souza)

 

​4. Candangos:

A escultura “Os Guerreiros” (1959), de Bruno Giorgi, é popularmente conhecida como Candangos, nome dado aos operários de todas as regiões do Brasil que foram trabalhar na construção da nova capital do pais (Fonte: Folder da Praça dos 3 Poderes – Experimente Brasília).

 

Escultura "Guerreiros", conhecida popularmente como "Candangos", de Bruno Giorgi (Foto: Tissiana Souza).

De acordo com o Site Portal Brasil, “candango” era um nome pejorativo para indicar pessoas sem qualidade, sem cultura, à mercê da sociedade. Ao longo dos anos, os Candangos passaram a serem considerados como pessoas esforçadas, trabalhadoras, e honradas.

5. Marco Brasília:

Desde a data de 11 de dezembro de 1987, há quase 30 anos, o Plano Piloto é considerado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO (Fonte: Portal Brasil).
O Marco Brasília é um monumento projetado por Oscar Niemeyer especificamente para celebrar o título concedido pela UNESCO (Fonte: Folder da Praça dos 3 Poderes – Experimente Brasília).

 

A Praça dos Três Poderes: na foto vemos o Museu da Cidade, o Congresso Nacional e o Marco Brasília (Foto: Matheus Sabino).

 

Continua na próxima postagem do blog! Aguarde!

Endereço

Praça dos Três Poderes - Brasília, DF, 70100-000 

Horário

Todos os dias

Para mais informações

Portal de Brasília:
http://www.df.gov.br/

Visite Brasília:
https://visitebrasilia.com.br/

Adicionar um comentário

%d blogueiros gostam disto: