O belíssimo Park Güell de Barcelona

Ir a Barcelona é viajar pelo mundo de Antoni Gaudí! O arquiteto catalão projetou construções incríveis!
Uma das principais obras de Gaudí em Barcelona é o Park Güell! Está na lista de melhores parques urbanos do site European Best Destinations e na lista dos 10 melhores parques urbanos do mundo do jornal The Guardian (clique sobre o nome do jornal e a lista abrirá em inglês), que também inclui o nosso querido Parque Ibirapuera de São Paulo! Foi declarado Patrimônio Cultural da Humanidade da UNESCO em 1984.
O Park Güell tem 17 hectares de jardins e elementos arquitetônicos, e está situado na parte alta de Barcelona, na Montaña del Carmelo (Fonte: Barcelona – Guia Turismo e Cultura, 2013).

park guell

O Park Guell, uma das áreas verdes de Barcelona (Foto: Tissiana Souza).

1) COMO CHEGAR:

-Metrô: Estação Vallcarca (Linha 3).
Saia para a Avinguda de Vallcarca em sentido à Carrer de Gomis. Ande 300m nesta avenida, e vire à direita na Baixada de la Glòria. Suba as escadas rolantes e você chegará na entrada do Parque.

2) BILHETERIA:

A bilheteria para acessar a Zona Monumental do Park Güell fica na Ctra. Del Carmel. Ao lado da bilheteria estão os banheiros públicos e um estacionamento.

3) O PARK GUELL:

a) Criação do parque:

O Park Güell teve sua construção iniciada no ano de 1900. No início do século XX, Barcelona passava por uma revolução urbanística. Antoni Gaudí foi convidado por Eusebio Güell para projetar o parque (Fonte: Park Güell).
A intenção de Eusebio Güell era ter um projeto de urbanização para as famílias que viviam na grande propriedade que havia adquirido na “Montaña Pelada”. Pretendia criar um ambiente saudável e com uma ótima vista para o mar e Barcelona (Fonte: Park Güell).
Como era um espaço particular, as complexas condições de venda, a falta de transporte adequado e o caráter muito exclusivo da urbanização tornaram o projeto inviável. Em 1914, as obras foram abandonadas por falta de compradores, já que somente 2 das 60 casas previstas tinham sido construídas. Assim, a propriedade era um grande jardim privado, que Eusebio Güell cedia para atos públicos. O parque também começou a aparecer na lista de atrativos turísticos da cidade. Após a morte de Eusebio Güell em 1918, seus herdeiros ofereceram o parque para o governo municipal e a compra foi celebrada em 26 de maio de 1922. Em 1926, o parque passou a ser aberto ao público (Fonte: Park Güell).

b) O que conhecer:

Ao caminhar pelo Park Güell você pode optar por conhecer as partes públicas gratuitas, e também conhecer a chamada Zona Monumental (privada). Aconselhamos que você conheça tudo, já que na parte paga também há coisas interessantes para serem vistas!
Chegamos ao parque pela Avenida del Collon del Portel, onde há uma entrada secundária e pública. Subimos pelos caminhos até chegar na Cruz. É um mirante com vista impressionante da cidade de Barcelona! Do alto da cruz podemos ver os principais pontos da cidade, como a grandiosa Basílica da Sagrada Família, a Torre Agbar, Las Ramblas, o mar Mediterrâneo! O dia estava ensolarado, deixando a vista ainda mais deslumbrante!!!

park guell

Vista mais que incrível de Barcelona (Foto: Tissiana Souza).

park guell

A Sagrada Família vista do Park Güell! (Foto: Tissiana Souza).

Andamos em direção à Zona Monumental, mas antes passamos pelos incríveis  viadutos! Estes viadutos foram construídos para ligar as partes de topografia mais alta do parque com as partes mais baixas. Os viadutos, conhecidos como Ponte de Cima, Ponte Média e Ponte de Baixo, serviam para o deslocamento de carruagens entre a entrada principal e a parte alta da colina. Estão suspensos por colunas inclinadas, e você pode caminhar entre elas! São surpreendentes pelo formato!

park guell

Um dos viadutos do Park Güell (Foto: Tissiana Souza).

Passamos em frente à Casa Museu Gaudí, mas não entramos para conhecer. Antoni Gaudí viveu na casa entre 1906 e 1926, com seu pai e uma sobrinha.
Após comprar nossos bilhetes, acessamos a Zona Monumental do parque. O primeiro local que conhecemos foi a Plaza de La Naturaleza – Praça da Natureza (antigamente chamada de Teatro Griego ou Teatro de La Naturaleza). Essa praça foi projetada para grandes eventos ao ar livre (Fonte: Park Güell), já que pode ser vista de diversos pontos do parque. No início do século XX ocorreram muitos eventos públicos na praça, principalmente manifestações sociais em favor da cultura catalã e atos de afirmação catalanista (Fonte: Folder – Park Güell).

park guell

Plaza de La Naturaleza (Foto: Tissiana Souza).

A praça é delimitada por um banco ondulado, coberto por um mosaico projetado por Josep Maria Jujol, entre 1910 e 1914 (Fonte: Park Güell).

park guell

Bancos que contornam a Praça da Natureza (Foto: Tissiana Souza).

Da Plaza de La Naturaleza podemos observar a entrada principal do Parque, localizada na Carrer d'Olot, e também a Escalera Monumental (Escadaria Monumental).
Há duas construções na entrada do parque, que formaram a portaria, e são conhecidas como pavilhões: um era a portaria propriamente dita, que tinha na época uma sala de espera e cabine telefônica. A outra era a residência do porteiro, hoje chamada de Casa del Guarda (Casa do Guarda).

park guell

A Casa do Guarda, entrada do Park Güell (Foto: Tissiana Souza).

Descemos as escadarias em direção ao Pórtico de la Lavandera, um dos lugares mais interessantes da Zona Monumental! Fotos clássicas são obtidas no pórtico! É um corredor no formato uma grande onda! As colunas são duplas, para dar sustentação à construção! Aqui temos um exemplo clássico da relação entre Gaudí e a natureza com sua fonte de inspiração!

park guell

As famosas ondas de Gaudí, no Park Güell! (Foto: Tissiana Souza)

Continuamos a descer e chegamos na entrada principal do parque. A casa com a torre e a cruz de Gaudí era a Conserjería (Portaria), hoje uma livraria. O outro edifício é a Casa del Guarda, construída entre 1901 e 1903, que hoje é parte do Museo de Historia de Barcelona (Fonte: Folder – Park Güell).
Subimos a Escalera Monumental (Escadaria Monumental). É uma escadaria dupla, com uma fonte central que alimentava a cisterna localizada abaixo da Sala Hipóstila. É na escadaria que está o Dragão – na verdade, uma salamandra – recoberta por mosaico (Fonte: Park Güell). É a imagem mais popular do parque, por isto mesmo, a mais disputada pelos turistas para uma fotografia.

park guell

As Escadarias Monumentais (Foto: Tissiana Souza)

Subindo as escadarias chegamos à Sala Hipóstila ou Sala de las Collumnas (Sala das Colunas), que foi construída para funcionar como um mercado. A sala tem 86 colunas e o teto apresenta abóbada de estilo catalão, também conhecido como “tabicada” (Fonte: Folder - Park Güell).

A Sala das Colunas, projetada por Gaudí para ser um mercado (Foto: Tissiana Souza).

park guell

Colunas da Sala Hipóstila (Foto: Tissiana Souza).

Passamos por último pelos Jardines de Austria (Jardins de Áustria). O nome do jardim se deve a uma doação de árvores procedentes da Áustria (Fonte: Folder - Park Güell).

park guell

Os Jardins de Áustria (Foto: Tissiana Souza).

O Park Güell é um passeio indispensável em Barcelona! Não somente pela arquitetura de Gaudí, mas também porque é sempre gratificante estar em meio ao verde!

Endereço

Carrer D'Olot, Barcelona

Preço para o ano de 2016

Zona Monumental

Adultos: 7,00 €
Crianças de 7 a 12 anos, maiores de 65 anos e acompanhantes de deficientes: 4,90 €
Crianças de 0 a 6 anos, deficientes, Tarjeta Rosa: Gratuito 

Não é permitida a entrada na Zona Monumental fora do horário impresso no ingresso.

Restante do Parque

Gratuito

Horário

Baixa Temporada (Inverno)

De 30 de outubro a 26 de março - das 08:30 às 18:15 horas.
Último acesso às 17:30 horas.

Temporada média (Primavera)

De 27 de março a 1º de maio - das 08:00 às 20:30 horas.
Último acesso às 19:30 horas.

Temporada alta (Primavera - Verão)

De 2 de maio a 28 de agosto - das 08:00 às 21:30 horas.
Último acesso às 20:30 horas.

Temporada média (Verão - Outono)

De 29 de agosto a 29 de outubro - das 08:00 às 20:30 horas.
Último acesso às 19:30 horas.

Para mais informações

Adicionar um comentário

%d blogueiros gostam disto: