Gaudí: Barcelona, 1900

De 20 de novembro de 2016 a 5 de fevereiro de 2017, o Instituto Tomie Ohtake recebeu a exposição Gaudí: Barcelona, 1900, uma mostra que falou sobre o universo do Modernismo catalão no início do século XX.
Se você já foi a Barcelona, deve ter se relembrado muitas coisas que viu por lá, principalmente na segunda sessão que falava das técnicas empregadas por Gaudí. E se você não conhece Barcelona, foi uma oportunidade de compreender um pouco do trabalho de Antoni Gaudí, arquiteto da Basílica de La Sagrada Família e de tantos outros pontos turísticos da cidade catalã, como La Pedrera (Casa Milà) e o Park Güell.

gaudi

Antoni Gaudí: arquiteto e o principal ícone do Modernismo catalão (Foto: Tissiana Souza).

1. COMO CHEGAR AO INSTITUTO TOMIE OHTAKE:

-Metrô: O Instituto Tomie Ohtake está localizado na Avenida Brigadeiro Faria Lima, nº 201, Bairro Pinheiros, São Paulo. A estação de metrô mais próxima é a Faria Lima (Linha 4 – amarela).
Saia em direção ao Largo da Batata. Você caminhará por 700m pela Avenida Brigadeiro Faria Lima até o prédio onde está o Instituto, que se destaca na paisagem por ser magenta.

2. A EXPOSIÇÃO:

A primeira grande sessão da exposição tratou do Modernismo Catalão.
Surgido no período entre o final do século XIX e o início do século XX, o grande acontecimento propulsor do Modernismo Catalão foi a Revolução Industrial. A cidade de Barcelona foi o centro principal de transformações arquitetônicas, passando por um grande processo de remodelação de seu plano urbanístico, que começou em 1859 com o engenheiro Ildefons Cerdá (Fonte: Folder da exposição).
A burguesia emergente foi essencial para o crescimento do Modernismo. Muitos arquitetos foram convidados a trabalhar não somente na construção de edifícios, mas também a planejar o interior das residências e a desenhar os mobiliários (Fonte: Folder da exposição).
Na primeira parte da exposição, quadros de paisagens mostravam a preocupação dos artistas com o uso da luz e das cores. Além disso, as cenas cotidianas também são retratadas. Destaques para Modest Urgell, com “Paisagem” (1885-1895).

paisagem

Paisagem, de Modest Urgell (Foto: Tissiana Souza).

O modernismo catalão não retratava a pobreza. Como explicou o painel A Serviço do Luxo, presente na exposição, “a burguesia encontrou nos artistas a melhor ferramenta para reivindicar uma identidade própria que lhe permitiu diferenciar-se, desapegando-se de uma Espanha ainda ancorada em um modelo econômico rural e uma monarquia em declínio”. Esta identidade estava presente nos móveis em madeira delicadamente detalhados com flores, frutas e entalhes abstratos e grandes lustres florais.

Lustre de estilo modernista, com motivos florais (Foto: Tissiana Souza).

Cadeiras estilosas! (Foto: Tissiana Souza).

 

Móvel elaborado durante o Modernismo Catalão (Foto: Tissiana Souza).

Outro acontecimento do modernismo é a democratização do retrato. O retrato era algo típico das famílias reais. Somente reis, rainhas, príncipes eram pintados. Ao final do século XIX, com a queda das monarquias, qualquer pessoa poderia ser pintada, em qualquer ambiente e situação.
Somente no final do período modernista é que haverá uma preocupação com a miséria, a pobreza e os marginalizados. Isidre Nonell retrata essa inquietação com cores escuras e com pouca luz, como se seus personagens estivessem envoltos em uma penumbra.

isidre nonell

Quadro de Isidre Nonell, retratando o "lado escuro" do Modernismo catalão (Foto: Tissiana Souza).

Na segunda parte da exposição é que encontramos (finalmente) Antoni Gaudí e retratações de seu arsenal arquitetônico! Gênio e único, não muito adepto da vida social, Gaudí viveu de 1914 a 1926 (ano de sua morte) dedicando-se exclusivamente à espetacular Basílica de La Sagrada Família.
Nesta sessão sentimos um saudosismo muito especial da nossa viagem por Barcelona! Vimos fotos antigas da Casa Battlo, que visitamos quando estivemos na capital catalã. Também rolou um arrependimento por não ter visitado La Pedrera (Casa Milà), após ver a sua maquete!

Janela da Casa Battló (Foto: Tissiana Souza).

Vimos fotos de outras construções feitas por Gaudí, que não conhecíamos, como a Casa Vicens e El Capricho (que fica na cidade de Comillas).

gaudi

Fotografias de edifícios projetados por Gaudí (Foto: Tissiana Souza).

A exposição também explicou o sistema de Catenárias usado por Gaudí, que consistia no uso de barbantes e sacos de chumbo presos a esses barbantes. Após a montagem do sistema, Gaudí tirava uma foto do conjunto e invertia a fotografia para visualizá-la. Assim, teria a forma final do edifício projetado.
Depois, adentramos o universo da Sagrada Família! Quem já visitou a igreja sabe que ela é única e monumental! Eu considero como a igreja mais bonita que já visitei (e ela ainda não está concluída!). Na exposição, há maquetes das torres, dos pilares internos, da nave central e por último, uma maquete mostrando um corte interno da Basílica.

gaudi

Maquetes com os quatro tipos de pilares da Sagrada Família (Foto: Tissiana Souza).

 

gaudi

Maquete com a nave central da Basílica de La Sagrada Família (Foto: Tissiana Souza).

 

gaudi

Maquete com um corte, mostrando a disposição interior da Sagrada Família (Foto: Tissiana Souza).

Na saída do Instituto, também há mais três maquetes dos projetos de Gaudí. Uma delas é do sistema de catenárias. Para entender a estrutura, é preciso olhar para o espelho que está no chão.
Para quem já esteve em Barcelona, uma oportunidade de reviver tudo o que foi visto por lá! E para os que não conhecem a cidade, que as belas fotos despertem o desejo de visitar a capital catalã!

Endereço

Av.Brigadeiro Faria Lima, 201, Pinheiros - São Paulo - SP, CEP 05426-100

Preços da Exposição

Inteira: R$12,00
Meia-entrada: R$6,00
Crianças até 10 anos e pessoas com deficiência: Gratuito

Gratuito todas as terças-feiras

Horário

De terça-feira a domingo, das 11:00 às 20:00 horas.
Última entrada na exposição às 19:00
.

Fechado às segundas-feiras.

Para mais informações

Instituto Tomie Ohtake:
http://www.institutotomieohtake.org.br/

Mapa de Transporte Metropolitano de São Paulo:
http://www.metro.sp.gov.br/pdf/mapa-da-rede-metro.pdf

Adicionar um comentário

%d blogueiros gostam disto: