Arredores de Dublin: Howth

Conhecer Howth foi uma das grandes surpresas no início da nossa viagem para a Irlanda! A pequena vila de pescadores que cresceu em torno de um porto é atualmente um paraíso gastronômico para os amantes de frutos do mar e peixes frescos (Fonte: Fáilte Ireland – Dublin Pocket Guide).
Nossos amigos que moram em Dublin nos levaram para conhecer a península, que fica localizada cerca de 16 km do City Centre. Você também poderá chegar até lá de DART (trem) descendo na estação Howth.
A partir da estação, é possível realizar 4 trilhas diferentes, com durações, quilometragens e níveis de dificuldade distintos. O site “Howth is Magic” (link nas informações) apresenta os mapas destas trilhas.
Nós fomos para Howth de carro, pela rodovia R105. Em Sutton, a R105 se divide, mas continua com a mesma numeração para as duas bifurcações. Nós seguimos pela Greenfield Rd (R105), que depois mudará de nome para Carrickbrack Rd (R105) até virarmos à direita na Thormanby Rd, e logo em seguida tomarmos a direção esquerda na Bailey Green Rd, seguindo em frente nesta estrada para chegarmos ao Car Park The Summit.
A partir do Car Park (estacionamento), seguimos a pé, caminhando pela trilha em direção ao Baily Lighthouse (farol).

howth

A primeira vista de Howth: nada mau, não é mesmo?! (Foto: Tissiana Souza).


Nós ficamos encantados com o local logo no início da trilha! A visão privilegiada da Baía de Freshwater com seus diversos tons de azul e as flores amarelas nas partes mais altas das falésias deixaram tudo muito mais bonito!

howth

A Baía de Freshwater, com suas cores e flores! (Foto: Tissiana Souza)


As costa é bastante recortada, permitindo várias mudanças de ângulos de visão das falésias! Além disto, descobrimos pequenas praias escondidas pelos paredões! Uma paisagem que é difícil descrever através de palavras!

howth

Pequenas praias ficam escondidas pelas falésias (Foto: Matheus Sabino).


No trecho onde fizemos a trilha, há pontos em que o ângulo de inclinação das falésias é bastante acentuado e quase vertical. Mas também há locais com uma inclinação mais suave em direção à baía, o que permite que várias outras pequenas trilhas levem os visitantes até as praias confinadas entre os altos paredões.
Apesar das trilhas ficarem relativamente distantes de pontos mais perigosos, é sempre importante estar atento e evitar chegar muito próximo aos precipícios para evitar acidentes.
Chegamos até o portão do Farol Baily, mas ele está localizado dentro de uma propriedade particular. Do ponto onde estávamos, em frente ao portão, é possível ver a Baía de Dublin e a área portuária da capital da Irlanda.

howth

Vista em direção à Baía de Dublin (Foto: Tissiana Souza).


Voltamos ao Car Park The Summit e seguimos em direção à Vila de Howth pela R105. Estacionamos o carro em frente à marina e fomos caminhar pelo Píer Leste até próximo ao Farol de Howth. Do píer tem-se uma bela visão da Ilha de Ireland’s Eye!

howth

A marina na Vila de Howth (Foto: Tissiana Souza).

howth

A vista da Ilha de Ireland's Eye (Foto: Tissiana Souza)


Depois da caminhada pelo píer, fomos comer no restaurante The Dog House Blues and Tea Room, próximo à estação do DART, onde provamos uma deliciosa Seafood Chowder, uma sopa de peixe e batata, acompanhada de fatias de pão irlandês, por €6,75. O ambiente do restaurante é único, com uma decoração formada por móveis antigos.
Há ainda outras atrações na península, como o Castelo de Howth, as ruínas de St. Mary Abbey, o Museu Nacional do Transporte, a Martello Tower, o Mercado de Howth e o Aideen’s Grave, que nós não conhecemos. Acho que esta é uma ótima "desculpa" para retornarmos a Howth numa próxima oportunidade!

Adicionar um comentário

%d blogueiros gostam disto: